Star Wars: Dívida de Honra (Resenha)

Dívida de honra (Editora Aleph, 2017) é o segundo livro da trilogia Aftermath, traduzido no Brasil como “Marcas da Guerra” (Clique aqui para ver minha breve resenha do primeiro livro). A referida trilogia conta o que aconteceu após a destruição da segunda Estrela da Morte. A narrativa gira em torno de um Império em crise, que busca se reorganizar após a morte do imperador Palpatine e seu “herdeiro” Darth Vader. Não obstante, a Aliança Rebelde, agora mais forte do que nunca, luta para consolidar-se como a Nova República.

Em Dívida de Honra, temos a presença marcante de dois dos personagens mais icônicos do universo Star Wars: Han Solo e Leia Organa. Após sofrer uma emboscada no planeta Kashyyyk, lar dos Wookies, Chewbacca é capturado e Han Solo desaparece misteriosamente. Assim, a inusitada equipe de Norra Wexley, que protagonizou o primeiro livro, teve que interromper sua busca pela captura dos líderes remanescentes do Império, a fim de ajudar Leia Organa, que está grávida, a encontrar o seu marido.

Na equipe de Norra, além do seu filho Temmim com seu Dróide customizado chamado “Senhor Ossudo”, há o agente rebelde Jom Barrel, o ex-imperial Sinjir Rath Velus e a caçadora de recompensas Jas Emari. Apesar de diferentes personalidades e objetivos, a equipe mostra uma surpreendente sinergia, que culmina em grandiosos e importantes feitos, reforçando que, por mais que eles não admitam, eles formam uma verdadeira (e louca) família.

Um outro personagem que merece destaque é a grã-almirante Rae Sloane, a nova líder do Império em crise e a grande vilã do primeiro livro. Cercada por uma rede de intrigas e traições, Sloane tem sua capacidade de liderança questionada por grandes nomes do Império, fazendo com que ela se torne um agente solitária em sua busca pela restauração do Império. Assim, além da Nova República, Sloane será obrigada a confrontar inimigos cada vez mais próximos, testando suas inteligências militar e emocional.

Meu exemplar de Dívida de Honra.

Seguindo a mesma pegada do primeiro livro, Chuck Wendig nos entrega uma obra primorosa, apresentando uma série de novos personagens e novas situações marcantes. A profundidade com que Wendig explora os personagens e as situações, usando uma linguagem simples e fazendo muitas referências ao universo Star Wars é algo impressionante. Devido ao seu estilo de escrita, o genial autor nos faz sentir empatia pelos heróis e pelos vilões. Gênio!

“A profundidade com que Wendig explora os personagens e situações me faz desejar que ele seja o roteirista dos novos filmes da franquia. O cara é um gênio!”

De fato, Dívida de Honra é um dos melhores livros do novo cânone do novo universo expandido Star Wars. Entretanto, é necessário ler o primeiro livro (Marcas da Guerra), caso contrário, o leitor ficará perdido em meio a eventos, personagens e referências.

About Jorge Luís Gregório

Professor e entusiasta de tecnologia, estudioso da cultura NERD e fã de quadrinhos, animes e games. Mais um pai de menino, casado com a mulher mais linda da galáxia e cristão convicto. Gosto de ler ficção científica e discutir tecnologia, filmes, seriados, teologia, filosofia e política. Quer falar sobre esses e diversos outros assuntos? Venha comigo!

View all posts by Jorge Luís Gregório →